title2.gif

Auditores fiscais paralisam atividades e realizam ato no Centro de Santos

Greve pode ser por tempo indeterminado, caso o acordo salarial não seja plenamente aplicado até 31 de outubro.

Os auditores fiscais da Receita Federal realizam um ato, na manhã desta quarta-feira (25), nas escadarias da Alfândega de Santos, no litoral de São Paulo. Eles protestam pelo não cumprimento do acordo salarial fechado entre o governo e a categoria.

Todas as atividades realizadas na Alfândega do Porto de Santos, como na Delegacia da Receita Federal, foram paralisadas nesta quarta-feira, denominada “Dia do Alerta”. Neste dia, na Alfândega serão liberadas cargas consideradas essenciais como medicamentos, insumos hospitalares, animais vivos e alimentação de bordo para tripulantes de navios. Já na Delegacia da Receita Federal a paralisação será total.

Os auditores se reuniram por volta das 9h, em frente a Alfândega, na Praça da República, para protestar. De acordo com o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional) em Santos, Renato Tavares da Silva Filho, a paralisação é nacional. Cerca de 70% dos 200 auditores fiscais da região participaram da mobilização.

“O motivo é a não implementaçlão do acordo salarial de agosto de 2016. E em dezembro, o governo federal sancionou a lei mas não foi implementada. Todos os auditores estão dando um dia de alerta paralisando as atividades, com exceção dos casos emergenciais”, falou ele. A greve pode vir a se tornar por tempo indeterminado a partir de 1º de novembro, caso o acordo salarial fechado com a categoria não seja plenamente aplicado até 31 de outubro.

Além do acordo salarial, os auditores também defendem a autonomia da Receita Federal e denunciam as investidas contra o serviço público, o que chamam de “pacote de maldades”, que inclui, entre outras questões, a quebra do acordo salarial, a recomposição salarial, aumento da contribuição previdenciária e congelamento das verbas indenizatórias.

De acordo com o Sindifisco-Santos, cada dia de paralisação na Alfândega de Santos ocasiona um atraso de R$ 100 milhões no recolhimento de impostos federais e um acúmulo de 2000 a 3000 contêineres para liberação de cargas ao País. “Aqui passa um terço de toda a exportação do país. Hoje é um dia de paralisação, de alerta. Se entraramos em greve por tempo indeterminado, pode gerar um caos”, afirmou Tavares.

Fonte: Globo