title3.gif

Porto de Itajaí sofre com demora nas obras e com acessos que tumultuam o tráfego na região

Santa Catarina conta com cinco portos, mais o terminal lacustre de Laguna, e poderá ter outros dois num futuro não tão distante assim. O Estado é o segundo na movimentação de contêineres no Brasil, respondendo por 19% do total, atrás apenas de São Paulo. E, dos 10 melhores portos brasileiros no ranking de desempenho, quatro são catarinenses. Ainda assim, há problemas decorrentes da insuficiência de investimentos – o que, aliado a dificuldades de acesso viário, opera na contramão das vantagens que a orla de Santa Catarina oferece em relação a complexos de outros Estados.

O caso da foz do rio Itajaí-Açu é emblemático. Ali, o berço três (carro-chefe do porto) está atrasado, mas em obras, e teve ter concluídos os trabalhos na bacia de evolução no final de novembro. Já a dragagem do berço quatro só vai ficar pronta em maio de 2018, com possibilidade de antecipação da data, dependendo dos resultados de testes a serem feitos daqui a dois meses. As obras vão ajudar também o porto de Navegantes, no lado oposto do rio, operado pela Portonave. Em Itajaí, apesar do grande movimento, o déficit mensal é de R$ 700 mil desde os dois berços se tornaram inoperantes, em 2014. O prazo inicial para a recuperação era agosto de 2015.

O prejuízo é incompatível com o potencial do terminal, cujas atividades cresceram 1.500% de 1995 a 2015, ajudando a transformar o perfil da cidade, hoje com um PIB (Produto Interno Bruto) de fazer inveja a municípios mais populosos, como Blumenau e Criciúma. Um berço foi perdido na enchente de 2008, a última grande cheia do maior rio catarinense que deságua no Atlântico. De acordo com o superintendente do porto, Marcelo Salles, parte de atracação, prejudicada pela inundação seguinte, de 2011, ainda espera ser concluída. “E há lajes que ruíram na grande enchente de 1983 e continuam ali, a 25 metros de profundidade”, ressalta.

Também permanece na gaveta o projeto de mudança no acesso, que tiraria o movimento de cargas pesadas na área central da cidade. E, exceto a BR-101, as rodovias de acesso na região não têm pista duplicada, o que causa grandes transtornos em horários de pico.

O atraso dos repasses federais, orçados em R$ 56 milhões para os dois berços, vem aumentando o passivo do porto, mas a expectativa do superintendente é de receitas adicionais quando os serviços estiverem prontos. De sua parte, o Estado investe R$ 105 milhões na bacia de evolução, com aportes do BNDES. Também há projetos para alargar a boca da barra em 170 metros, permitindo a entrada de navios com até 400 metros de comprimento. Outra necessidade é aumentar a retroárea, até chegar a 300 mil metros quadrados.

Imbituba aposta em aumento de carga

Se Itajaí tem pressa para retomar a plena operação e a volta da estabilidade financeira, em Imbituba tudo corre muito bem. O Estado assumiu o empreendimento em 2012 e investiu no aprofundamento do calado, deixando-o apto a receber navios como o Cap. San Juan, da Hamburg Süd, que na primeira semana de setembro incluiu o terminal do Sul catarinense na linha de longo curso que faz para a Ásia.

“Temos a maior profundidade entre os portos públicos do Sul e Sudeste, nossas operações praticamente não são afetadas por mudanças climáticas na região e há uma importante facilidade de acesso, tanto terrestre quanto aquaviário, que se destacam em Santa Catarina”, diz o diretor-presidente da SCPar Porto de Imbituba, Rogério Pupo Gonçalves. Hoje, ele pode movimentar até 500 mil TEU (unidade correspondente a um contêiner de 20 pés) por ano, o que atesta o crescimento da importância do porto.

“Imbituba vai se tornar cada vez mais atraente e conta com a conclusão das obras na BR-285, na Serra da Rocinha, que passa por Turvo e Timbé do Sul, para atrair cargas do Rio Grande do Sul”, diz o secretário de Estado da Infraestrutura, Luiz Fernando Vampiro. Outra boa perspectiva que se abre com essa rodovia é que ela encurta em mais de 270 quilômetros a distância entre o Oeste catarinense, grande produtor e exportador de proteína animal, e Imbituba. O governo estadual está colocando asfalto cimentício no acesso, considerando as especificidades e o peso das cargas. No mês de junho deste ano o porto bateu o recorde de operações, movimentando 490,5 mil toneladas de carga.

Os portos de Santa Catarina

Itajaí – Terceiro do Brasil em movimento e primeiro em carga refrigerada de contêineres

São Francisco do Sul – Quarto do Brasil no complexo de soja e quinto em movimentação de contêineres

Imbituba – Em expansão, embarca produtos químicos, fertilizantes, coque (derivado de carvão), congelados e açúcar

Laguna – Porto pesqueiro

Navegantes – Porto privado, iniciou as operações em 2007 e é administrado pela Portonave S. A.

Itapoá – Porto privado, tem ampla possibilidade de expansão, mas carece de melhor acesso à BR-101

Fonte: ND online