title3.gif

Investimentos e acordo Mercosul/UE na pauta da visita do premiê da Espanha em abril

O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, fará uma visita oficial ao Brasil nos dias 24 e 25 de abril para tratar de temas como comércio, investimentos, negociações do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia e cooperação em matéria de ciência, tecnologia e inovação. Além de Brasília, Mariano Rajoy irá a São Paulo, onde participará de encontros com empresários, políticos e acadêmicos brasileiros.

Na sequência da visita – e em data a ser definida - neste primeiro semestre será realizado o Fórum Brasil-Espanha, de caráter empresarial e que deverá trazer ao Brasil um grupo de dirigentes de grandes empresas espanholas interessadas em investir no país. No segundo semestre será a vez de o governo da Espanha promover em Madri a versão espanhola desse evento.

Durante a visita, Mariano Rajoy, integrantes de seu gabinete e empresários espanhóis tratarão com o presidente Michel Temer e com os ministros Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores), além de empresários brasileiros, de questões ligadas ao comércio entre os dois países.

Existe dos dois lados preocupação com a queda registrada nos últimos anos no fluxo do comércio bilateral. O intercâmbio entre os dois países teve seu auge em 2008, quando atingiu a cifra recorde de US$ 6,518 bilhões, com exportações brasileiras no total de US$ 4,046 bilhões e embarques espanhóis no montante de US$ 2,472 bilhões, proporcionando ao Brasil um superávit de US$ 1,573 bilhão. A partir daquele ano as trocas entre os dois países não pararam de cair e em 2016 somaram pouco mais de US$ 5,169 bilhões.

Após os números ruins dos últimos três anos, nos dois primeiros meses de 2017, o comércio bilateral apresentou dados mais animadores. As exportações brasileiras cresceram 46% para US$ 459 milhões e as vendas espanholas tiveram um aumento de 7,6%, totalizando US$ 432 milhões.

Além de buscar a retomada do fluxo de comércio, ao Brasil interessa diversificar a pauta exportadora para os espanhois, hoje fortemente concentradas em produtos básicos. No primeiro bimestre do ano, as exportações de produtos primários totalizaram US$ 345 milhões e foram responsáveis por 75,5% das vendas brasileiras para a Espanha. Enquanto isso, os embarques de produtos industrializados somaram US$ 95 milhões, correspondentes a 19,1% do volume exportado.

Petróleo (US$ 95 milhões e participação de 21,0%), soja mesmo triturada (US$ 89 milhões e participação de 19%), minérios de cobre e seus derivados (US$ 35 milhões, correspondentes a uma fatia de 7,6% nas exportações) foram os três principais produtos exportados para a Espanha e ao Brasil interessa aumentar a participação dos produtos manufaturados nas vendas para os espanhóis.

Os investimentos bilaterais são outro importante tema a ser tratado durante a visita do primeiro-ministro Mariano Rajoy. A Espanha figura entre os maiores investidores individuais no Brasil. Em 2016, o estoque de investimentos espanhóis no Brasil superava a cifra de 60 bilhões de euros enquanto o volume de capital brasileiro aplicado na Espanha girava em torno de 17 bilhões de euros.

Recentemente, o governo espanhol comunicou ao governo brasileiro o interesse de empresas do país ibérico em participar com investimentos no programa de concessões lançados pelo presidente Michel Temer.

Naquela oportunidade, o ministro do Comércio da Espanha, Jaime García-Legaz, afirmou, após reunião com o então chanceler José Serra, que as empresas espanholas responderão “à altura” ao “ambicioso” programa de concessões do governo brasileiro nas áreas da infraestruturas de transporte por estradas, aeroportos, portos, transporte ferroviário, linhas de transporte de eletricidade e de geração elétrica.

Outro tema relevante na agenda do dirigente espanhol em Brasília são as negociações do acordo birregional de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia. A expectativa é de que Mariano Rajoy renove o forte apoio espanhol ao processo negociador que se arrasta desde 1999 e reforce a expectativa de seu governo de que o acordo possa ser concluído até o final de 2017.

O ministro anunciou que haverá um foro ainda este ano organizado no Brasil com investidores espanhóis e, em 2017, outro na Espanha organizado por espanhóis e a Apex.

FONTE: COMEX DO BRASIL