title4.gif

Mudanças à vista

Retirada de capacidade no tráfego marítimo do Extremo Oriente para o Brasil começa a surtir efeito para a indústria da navegação

O índice que mede o frete médio da China para a América do Sul subiu 50,7% em junho sobre o mesmo mês de 2015, saindo de 446 pontos para 672 pontos. O movimento é contrário à queda global, de 21,6%, registrada entre a China e o resto do mundo. Isso mostra que a retirada de capacidade no tráfego marítimo do Extremo Oriente para o Brasil começou a surtir efeito para a indústria da navegação. Todos os oito demais destinos partindo da China (entre eles Norte da Europa, Mediterrâneo, e as duas costas dos Estados Unidos) registraram queda no índice.

O CCFI (China Containerised Freight Index) reflete as taxas de fretes cobradas por 15 diferentes armadores a partir dos portos de Dalian, Fuzhou, Guangzhou, Nanjing, Ningbo, Qingdao, Xangai, Shenzhen, Tianjin e Xiamen. A alta nas rotas da China com a América do Sul se deve ao ajuste que a indústria de navegação fez, ao retirar a sobrecapacidade de navios nos tráfegos para elevar os valores. Os fretes experimentaram uma trajetória de queda, com valores que chegaram a US$ 50, devido à combinação de excesso de capacidade ociosa e baixa dos volumes do comércio exterior. De agosto de 2015 a julho houve redução de 30% na oferta de capacidade entre China e Brasil. Em maio, os maiores armadores do mundo no transporte de containers deflagraram uma rodada global de aumento de fretes que abrangeu a maioria dos tráfegos com o Brasil. (Leia no Guia)

A derrubada dos fretes deriva do excesso de capacidade ociosa no transporte marítimo, após a corrida da indústria da navegação por navios cada vez maiores, muitos dos quais saíram dos estaleiros num cenário de queda de demanda de volumes de alguns mercados — como, mas não apenas, o do Brasil.

Segundo o Centronave (Centro Nacional de Navegação), há uma tendência de recuperação de fretes tanto na exportação quanto na importação, porém esses aumentos nem de longe repõem as perdas que a indústria da navegação teve. Ainda segundo a associação, o primeiro trimestre de 2016 registrou um pequeno aumento. O contêiner dry saiu de 31% para 34% do valor de 2010. A alta ocorre mesmo diante da queda de volume nos embarques a partir do Extremo Oriente para a Costa Leste da América do Sul (basicamente Brasil). Dados da Datamar, mostram que as importações nessa rota caíram quase 37% nos primeiros cinco meses do ano, para 280 mil Teus.

Fonte: Guia Marítimo

 

 

 

Here in the case of such challenge and use android spyware that tells all about the holder iphone monitoring useful potential in divers cases. It can help both humanity. So normal to one man.